Home / Diário Materna / São Paulo amplia vacinação contra febre amarela na Zona Norte

São Paulo amplia vacinação contra febre amarela na Zona Norte

6238864_x720

Imunização dos moradores da região do Horto Florestal 

        

         A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Paulo ampliou a vacinação contra a febre amarela no município de São Paulo a partir deste sábado (21). Em parceria com o Governo do Estado, serão imunizados os moradores da Vila Amélia, comunidade situada no Horto Florestal, na zona Norte da capital.

 

O entorno do parque também passará por nebulização realizada por agentes de saúde. A região terá ainda outros dois pontos para imunização neste sábado: na UBS/AMA Jardim Peri e UBS Horto Florestal.

 

Além dessas duas UBSs, a partir de segunda-feira (23) serão acrescentados outros dois locais de vacinação contra a febre amarela na zona Norte: Vila Dionísia e Mariquinha Sciascia.

 

A ampliação da vacinação foi definida depois de um macaco do tipo Bugio ter sido encontrado morto no Horto Florestal, e os resultados dos exames sorológicos e histoquímico das amostras do primata confirmaram nesta sexta-feira (20) a presença do vírus da febre amarela.

 

Desde o último dia 11 de setembro, a pasta já vinha imunizando de forma preventiva os moradores do distrito Anhanguera.

 

A transmissão do vírus para o macaco foi do tipo silvestre, já que o vetor encontrado foi o mosquito haemagogus, comum em regiões rurais e de mata. É importante destacar que macacos não transmitem a febre amarela para a população. Esses animais são hospedeiros do vírus, transmitido de forma silvestre pelos mosquitos haemagogus e sabethes.

 

Convencionalmente, a vacina contra a febre amarela é indicada apenas aos moradores de regiões silvestres, rurais, de mata e ribeirinhas e para aqueles que vão viajar a esses locais ou os que estão classificados como regiões de risco.

 

A imunização não está indicada para gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pessoas imunodeprimidas, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (portadores de Lúpus, por exemplo). Em caso de dúvida, é importante consultar o médico.

 

A capital não registrou nenhum caso autóctone de febre amarela silvestre em 2017. Este ano, foram registrados no município de São Paulo, 12 casos importados de febre amarela silvestre. Não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942.

 

Serviço:

Postos que serão abertos para imunização a partir de segunda-feira (23/10)

UBS Dona Mariquinha Sciascia (Rua Dr. José Vicente, 39, Tremembé) e UBS Vila Dionísia (Rua Chen Ferraz Falcão, 50, Vila Dionísia)

 

Fonte: Secretaria Municipal da Saúde

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top