Home / Manual do Crescidinho / Infecção urinária constante em crianças pode ser sinal de alerta

Infecção urinária constante em crianças pode ser sinal de alerta

iStock_10193260_wide

Conhecido como RVU, o refluxo vesicoureteral é uma das doenças mais frequentes no tratamento urológico de crianças durante a primeira infância

 

A febre alta em uma criança é o suficiente para ascender uma luz amarela nos pais ou cuidadores. As primeiras desconfianças são da garganta, uma gripe ou ouvido. E nada está anormal. A febre passa por hoje, mas daqui uns três dias, volta sem nenhum sintoma aparente. Esse é o refluxo vesicoureteral (RVU) que atinge de 10 a 15% das crianças na primeira infância de acordo com os dados da Campbell Urology.

A apresentação clínica mais comum em crianças com refluxo vesicoureteral é a infecção do trato urinário cuja constatação é feita por meio do exame de urina com urocultura. “O segundo passo é o ultrassom com contraste que comprova o refluxo indicando o grau na escala da doença e o médico avalia o tratamento mais adequado. Qualquer criança com infecção do trato urinário febril é um paciente que pode ter RVU”, explica Antônio Macedo Junior, chefe do setor de Urologia Pediátrica da Unifesp.

O normal é que a urina saia dos rins, passe pelos ureteres e siga até a bexiga onde fica armazenada até ser expelida para fora do organismo.  Essa urina não retorna para os rins, devido às válvulas existentes no aparelho urinário. Quando há alguma disfunção nesse “mecanismo valvular”, a urina ao invés de sair, acaba voltando pelo caminho de onde veio, o que pode levar bactérias para os ureteres e/ou para os rins, causando infecção. Essa condição é conhecida como o refluxo vesicoureteral.

infec

A classificação internacional de refluxo vesicoureteral estabelece cinco graus para o problema:

  • Grau I – Refluxo só para o ureter.
  • Grau II – Refluxo até o rim, sem causar dilatação renal ou ureteral.
  • Grau III – Refluxo até o rim, causando pouca dilatação renal.
  • Grau IV– Refluxo até o rim, causando moderada dilatação renal.
  • Grau V– Refluxo até o rim, causando intensa dilatação renal e tortuosidade dos ureteres.

 

TRATAMENTO

Atualmente, existem três tipos de tratamentos: antibióticos, tratamento endoscópico e cirurgia.

Quando o caso de refluxo vesicoureteral está nos graus I e II, ele pode se curar sozinho em 80% dos casos num período de cinco anos. Após essa fase, recomenda-se tratar com antibióticos em pequenas doses e períodos prolongados. Esse tratamento costuma ser longo, podendo durar meses até que o próprio amadurecimento do organismo ‘resolva’ o RVU. O tratamento com antibiótico previne a infecção, porém não corrige e nem cura o RVU.

 

A terapia endoscópica (Vantris®) apresenta bons resultados no tratamento nos graus II, III e IV. Consiste na injeção de substâncias que reforçam a junção entre o ureter e bexiga, corrigindo o refluxo vericoureteral de baixo grau, e cirurgia laparoscópica.

 

Já a cirurgia, é indicada para os graus mais avançados e consiste em reimplante de ureter. Nestes casos, há internação da criança – que varia de 48 a 72 horas – além do pós-operatório que dura de 30 a 60 dias.

 

Mesmo após a cura do RVU, as crianças devem ser acompanhadas em longo prazo, com medidas rotineiras de pressão arterial, análise na urina, controles de função renal, bem como ultrassom ou exame de imagem com radioisótopos (cintilografia renal).

 

Alexandre Possendoro é pai de Amanda de nove anos que passou pelo procedimento para aplicação de Vantris®, no final de 2016. “O diagnóstico do RVU da minha filha foi feito após uma semana de febre alta, na investigação da infecção urinária. Ela tinha oito anos de idade, e a notícia da cirurgia assustou bastante até porque, nem eu nem minha família tínhamos conhecimento da doença. O fato de poder curá-la sem a necessidade de uma cirurgia foi determinante para que pudéssemos viver melhor, livre da preocupação de que a saúde dela pudesse estar comprometida de alguma maneira”, revela Alexandre que passou pelo procedimento com a filha há sete meses devido ao grau I de RVU.

A doença, em casos extremos pode levar à cicatriz renal (lesão irreversível que compromete o funcionamento do órgão), perda das funções e evoluir para (até) a necessidade de transplante. “A cirurgia para a correção do trato urinário ou procedimento para educá-lo a funcionar da maneira correta é essencial para que a patologia evolua para os maiores graus”, alerta o uropediatra.

Já na filha de Patrícia Paixão o RVU foi descoberto ainda na gestação, durante o exame de ultrassom da 34ª semana. A menina nasceu com o grau V da doença que é o mais grave e que comprometia os dois rins dela. Depois de um parto prematuro, duas semanas após este diagnóstico, a menina passou duas semanas na UTI neonatal com antibióticos. “Qualquer pausa no tratamento, poderíamos correr o risco de ela perder as funções renais por infecção urinária”, conta a mãe. O tratamento com Vantris® aconteceu aos dois anos de idade quando o refluxo regrediu para grau 1 em um rim e grau 3 no outro. “O mais difícil foi aceitar e pensar, desde o nascimento dela, em tudo que poderia acontecer com a Sofia. Hoje, ela é saudável, teve um pós-cirúrgico de um dia de repouso e não carrega cicatrizes pelo corpo”, finaliza a Patrícia.

 Fontes:

Sobre Vantris®:

 

Vantris® é um agente que promove o aumento do tecido que reveste a parede do ureter e provoca um bloqueio do retorno da urina aos rins, o que causa as infecções urinárias nos pacientes com refluxo vesicoureteral. O implante é formado por um material biocompatível (feito de copolímero de poliacrilato poliálcool) que, envolvido em hidrogel, funciona como condutor da substância que age para impedir que o refluxo aconteça. Ele é injetado na união do ureter com a bexiga, mediante um procedimento endoscópico simples e minimamente invasivo. Vantris® corrige a anatomia da região, evitando o refluxo da urina entre os órgãos e resolvendo a doença de forma definitiva.

Sobre Promedon:

A Promedon é uma companhia internacional líder em pesquisa, desenvolvimento, produção e distribuição de tecnologia médica inovadora, com presença em mais de 60 países em todo o mundo. Desde 1985 contribui para o progresso da Medicina, mediante a pesquisa, fabricação e comercialização de produtos para urologia, uroginecologia e coloproctologia, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

'
Scroll To Top