Home / Mulher Materna / Depressão puerperal ou pós-parto

Depressão puerperal ou pós-parto

mae
O ciclo gravídico-puerperal é conhecido como um período marcado por intensas transformações na vida da mulher, que durante a gravidez, passa ao mesmo tempo por dois tipos de mudanças significativas: as suas próprias mudanças físicas e o desenvolvimento do feto em seu útero.

Essas mudanças implicam diretamente no estado emocional da mulher, já que estamos falando de mudanças extremamente complexas, pois trata-se da inter-relação entre fatores hormonais e psicológicos.

Dessa forma, alteração de humor, mudanças bruscas de comportamento, irritabilidade, entristecimento, episódios depressivos, euforia, ansiedade, angústia, são comuns e esperados no ciclo gravídico-puerperal.

Já o puerpério é mais um novo momento que exige da mulher, agora mãe, adaptação e confronto com sua nova realidade, novo papel e novas expectativas. É um período no qual podem surgir manifestações psíquicas e comportamentais de apatia, choros recorrentes, dependência, pouca colaboração, poliqueixas, medo de não saber como cuidar do bebê, isolamento, entre outros.

A boa notícia é que estes sentimentos podem se resolver espontaneamente por fazerem parte de uma fase de adaptação e elaboração. Porém, vale ressaltar que todas essas reações emocionais devem ser vistas com atenção por parte dos familiares e profissionais da saúde que acompanham a gestante e compreendidas diferentemente dos quadros psicopatológicos, que têm seus sintomas bem classificados e entendidos pela medicina e psicologia.

A depressão puerperal é um quadro clínico caracterizado por transtornos depressivos que se instalam nas primeiras seis semanas após o parto. Os sintomas mais comuns são: diminuição ou perda do interesse nas atividades em geral, inclusive nos cuidados ao bebê, insônia ou hipersonia, sentimentos exacerbados de desvalia e culpa, perda da concentração, ideação suicida, sentimentos ambivalentes frente à maternidade e ao bebê e melancolia.

As causas podem ser biológicas, psicológicas e socioculturais, além de existirem fatores de risco como conflitos conjugais, dúvidas quanto ao desejo de ser mãe, eventos estressantes na gravidez, antecedentes psicopatológicos e familiares. Quanto ao tratamento, este inclui psicoterapia e medicação antidepressiva.

Como prevenção, todo e qualquer comportamento estranho, exagerado ou diferente que a mãe sinta ou a família observe deve ser comunicado ao médico, para que ele possa avaliar, diagnosticar e tratar com rapidez e eficácia, devolvendo a mãe e ao bebê, o equilíbrio emocional necessário.

 

Alessandra Robles Lopes
Psicóloga Clínica e Hospitalar
CRP 06/51523-0
Fone: 3846-72-65 / 9637-30-73
e-mail: alessandrarobles@hotmail.com

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top