Home / Bem Estar / Bons hábitos na infância impactam diretamente na saúde dos ossos na meia idade

Bons hábitos na infância impactam diretamente na saúde dos ossos na meia idade

African girl in front of vegetable dish.

Má alimentação e carência de exercícios físicos podem aumentar as chances de fraturas por fragilidade ao longo do envelhecimento

 

O cenário de fratura óssea é alarmante no Brasil e no mundo. A projeção no país é de que irão ocorrer cerca de 140 mil fraturas por osteoporose até 2020[1]. Entretanto, o dado que mais assusta os especialistas e a saúde pública é a taxa de mortalidade, que chega a 21,5%[2] durante o primeiro ano após a alta – ou seja, quase um em cada quatro pacientes que sofrem uma fratura vão a óbito pouco tempo depois do ocorrido.

 

Este cenário está relacionado ao envelhecimento, mas pode ser prevenido com hábitos saudáveis na juventude, com uma rotina de alimentação saudável e prática de exercícios físicos. A infância e a pré-adolescência são fases primordiais para o bom desenvolvimento do corpo, pois é neste período que ocorre o fenômeno do pico de massa óssea, no qual o ser humano adquire a quantidade máxima de densidade mineral óssea que terá durante a vida. Entre 85 e 90% da massa óssea máxima do adulto é adquirida até os 18 anos em meninas e até os 20 anos em meninos[3].

 

O pico de massa óssea é explicado não só por fatores hereditários, como também por gênero, etnia, hábitos dietéticos, atividade física, influências hormonais diversas, composição corporal de massa magra e gordurosa, doenças intercorrentes, uso crônico de medicamentos e outros elementos. Cerca de 70% da massa óssea final depende de fatores genéticos e, os 30% restantes, de fatores ambientais, alimentares e estilo de vida, em particular[4].

 

A massa óssea apresentada quando se é adulto é um resultado da quantidade de osso adquirida durante o crescimento e da perda óssea relacionada com o avançar da idade. O osso é um órgão ativo que possui células com o papel específico de remodelar o tecido ósseo em vários pontos do esqueleto. Quando em desequilíbrio, a parte de reabsorção leva à perda progressiva óssea, que gera fragilidade e pode causar a osteoporose.

 

Estima-se que a ocorrência de perda óssea atinja cerca de um quarto da população em todo o mundo, resultando em 220 milhões de pessoas com a doença[5]. Considerada uma epidemia silenciosa pela Associação de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO), existem estudos que relacionam os bons hábitos dos jovens à pré-disposição da doença. De acordo com a Federação Internacional da Osteoporose, a estimativa em todo o planeta é que 1 em cada 3 mulheres com mais de 50 anos sofrerão fraturas osteoporóticas, assim como 1 em cada 5 homens com mais de 50 anos[6].

 

Um estudo realizado no Rio de Janeiro, por exemplo, revelou que dos 246 pacientes acima de 60 anos internados em vários hospitais fluminenses devido a fraturas por fragilidade óssea (osteoporose), 35% morreram no hospital ou após a alta[7]. Os especialistas atribuem essa elevada taxa de mortalidade à prevalência de baixa densidade óssea. “O pico de massa óssea é uma das condições que ajudam a osteoporose, entretanto, outros fatores estão associados. O ponto de atenção é que após a primeira fratura, existe um aumento do risco de novas quebras de osso, que apresentam um impacto negativo na qualidade de vida do paciente devido ao alto índice de morbidade e mortalidade associados à situação”, explica Carolina Moreira, endocrinologista professora do Serviço de Endocrinologia do Hospital das Clínicas do Paraná.

 

“Atualmente, é praticamente impossível aumentar pico de massa óssea na vida adulta, ou seja, se o indivíduo em desenvolvimento não adquirir a quantidade certa no momento adequado, terá sua saúde comprometida por toda vida.  Isso significa que ter hábitos saudáveis nas primeiras duas décadas reflete no envelhecimento destes jovens. A ingestão de cálcio na infância e a massa óssea de um indivíduo adulto está estreitamente relacionada ao risco de fraturas osteoporóticas e de doenças como osteoporose no futuro”, afirma a especialista.

 

O cálcio é necessário para o fortalecimento ósseo e o seu consumo durante a infância e adolescência afeta a obtenção de massa óssea, pois a ingestão da substância neste período está associada com o ganho de densidade mineral óssea e menor risco de fratura na idade adulta[8].

 

“Para uma saúde óssea ideal, uma criança necessita de 800 mg de cálcio ao dia e o adolescente de 1300 mg. Para atingir esta meta, é necessário ingerir leite e derivados cerca de duas a três vezes ao dia e ter níveis de vitamina D adequados para que este cálcio seja absorvido. A vitamina pode ser adquirida ao tomar sol, num período de 15 a 20 minutos por dia, ou por meio de suplementação oral, em situações de baixa exposição solar”, completa Dra. Carolina.

 

Fonte:  UCB

A UCB Biopharma é uma empresa global biofarmacêutica focada na descoberta e desenvolvimento de medicamentos e soluções inovadoras para transformar a vida das pessoas que vivem com doenças graves em imunologia e neurologia. Com mais de 7.500 pessoas em aproximadamente 40 países, a empresa gerou uma receita de € 4,5 bilhões, em 2017, e investe 25% de seu lucro em pesquisa e desenvolvimento.



[1] Clark P, Cons-Molina F, Delezé M, Ragi-Eis S, Haddock L, Zanchetta JR, Jaller JJ, Palermo L, Talavera JO, Messina DO, Morales-Torres, Salmeron J, Navarrete A, Suarez E, Pérez CM, Cummings SR (2009) The prevalence of vertebral fractures in Latin American countries: The Latin-American

[2] Pereira SRM, Puts MTE, Portela MC, Sayeg MA (2010) The Impact of Prefracture and Hip Fracture Characteristics on Mortality in Older Persons in Brazil. Clin Orthop Relat Res 468:1869-1883

[3] Heaney RP, Abrams S, Dawson-Hughes B, Looker A, Marcus R, Matkovic V. Peak bone mass. Osteoporos Int. 2000;11:985-1009.

[4] Paula Lustosa Martins; Ana Lúcia Starling Pimenta; Daniel Lustosa Martins – Infância e adolescência: alimentação suficiente em cálcio e fósforo

[5] 1998, Rosen, C J, Donahue, L R. Insulin-like growth factors and bone: the osteoporosis connection revisited. Proc. Soc Exp Biol Med.

[6] Federação Internacional da Osteoporose (IOF)

[7] 2012-Latin America_Audit Brazil

[8] 2003, Kalkwarf HJ, Khoury JC, Lanphear BP. Milk intake during childhood and adolescence, adult bone density, and osteoporotic fractures in US women. Am J Clin Nutr.

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top