Curso Sempre Materna In Company
Curso Sempre Materna In Company
Home / Manual do Crescidinho / A criança e os limites

A criança e os limites

baby
Pais e mães querem saber como podem colaborar em todo o processo de aprendizagem e crescimento de seus filhos. Vários aspectos poderiam ser levantados, porém, o mais relevante na educação seria o desenvolvimento gradativo da autonomia na criança, no sentido social, moral e intelectual.

Os adultos estimulam o desenvolvimento da autonomia quando intercambiam pontos de vista com a criança em lugar de usar recompensas e castigos. Vale lembrar que autonomia não significa a mesma coisa que liberdade completa. Ela envolve comportamentos que levam em consideração um agir consciente e responsável do que é o melhor para todos e não apenas para si próprio, respeitando as limites que são a base de todo o relacionamento social.

Crianças que são educadas para a autonomia conseguem construir seus próprios valores ao longo da vida, e são capazes de, mais tarde, agir de acordo com seus princípios, não se deixando governar por aqueles que possam colocar em risco sua segurança física, emocional e moral.

A educação indulgente e a falta de disciplina são responsáveis por gerações de crianças mal educadas, apáticas, amorais e infelizes. A ideia de que as crianças vão ficar estressadas, insatisfeitas ou traumatizadas, com nosso pedido de realizações ou com a colocação de limites próprios para a idade, é um equívoco. Quanto mais cedo forem induzidas a aprender, a realizar, a respeitar a si mesmas e ao outro, mais naturalmente vão se comportar. Quanto mais tarde isso ocorrer, mais elas vão desenvolvendo hábitos e defesas para resistirem às exigências feitas.

Não dar regras e orientações firmes e claras é a melhor maneira de se criar arrogância e desrespeito. Delegar obrigações e responsabilidades dá a criança um sentimento de competência, que estimula o seu potencial de crescimento.

Amor, cuidado e disciplina são elementos essenciais na educação. Nos dias atuais, a disciplina tornou-se um ponto controvertido entre pais e educadores, quando deveria continuar sendo o que sempre foi: uma questão de bom senso.

A punição física e as descomposturas humilhantes não colaboram na construção de um indivíduo saudável, mas há maneira sábias, seguras e eficientes de se impor a disciplina, cabendo a cada um de nós buscar o melhor caminho.

Para uma sociedade melhor, é preciso que suas crianças tenham algum idealismo, que desenvolvam um sentido de comunidade e que sejam desafiadas para serem, a cada dia, melhor do que são.

 

Dr. Renato de Ávila Kfouri é Pediatra
Tel. para contato: 3685 0905
email: renatokfouri@uol.com.br

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top