Home / Manual do Bebê / Síndrome da Morte Súbita do Lactente

Síndrome da Morte Súbita do Lactente

bebe-dormindo

Pode ocorrer até o primeiro ano do bebê e não há diagnósticos precisos sobre sua causa 

Este é um tema delicado, apavorante e triste para os pais e, infelizmente, ainda sem muitas explicações do ponto de vista da medicina, especialmente por envolver muitos fatores que não contribuem para uma solução e ou mesmo explicação exata sobre o problema. Trata-se da Síndrome da Morte Súbita de Lactentes (SMSL), também conhecida como morte do sono ou berço da morte, que afeta bebês aparentemente saudáveis e pode ocorrer com até um ano de idade, tendo maior incidência de casos investigados entre dois e sete meses de vida do bebê.

 

Os motivos que levam a manifestação da síndrome são pautas de muitos estudos científicos, incluindo as causas que alteram a respiração e cardiologia da criança e conduz a sua morte inesperadamente. O diagnóstico de SMSL só é dado após investigações minuciosas e, até, autopsia para que se alegue a falta de enfermidades e ou doenças que provocaram o óbito. Vale dizer também, que é importante assegurar um local apropriado de sono para os bebês, no qual não tenham acessórios, cobertas e ou objetos que possam obstruir a sua respiração. O mesmo vale para protetores de berços, dos quais, mesmos amarrados, podem evitar a circulação do oxigênio no local onde o bebê dorme e, desta forma, promover maior inspiração de gás carbónico.

 

Saiba como acontece a SMSL e em qual proporção:

A Síndrome da Morte Súbita em Lactentes (SMSL) acontece durante o sono e, segundo pesquisas realizadas em diversos países, não promove sons, ruídos e ou qualquer gesto característico que possa identificá-la enquanto ocorre, tão pouco é possível determinar o momento/horário mais provável – inicio do sono ou quando a criança já está em estágio de hibernação. A SMSL está associada a falta de oxigênio (apneia) que pode ser provocada de maneira mecânica por objetos, posicionamento errado da criança e, também, por roupas em excesso; ou fisiológica, sem causa aparente e ou enfermidades que atestem a morte.

Estima-se que a síndrome da morte súbita em Lactentes ocorre, falando em números, em uma para cada dez mil crianças. Porém, esses parâmetros não são seguros para afirmativas e podem ser relativos dentro do contexto entre uma nação e outra. Os casos de SMSL tendem a aumentar no inverno e são mais comuns em crianças com nascimento prematuro, doenças genéticas e mães fumantes – antes e após o parto. O que sabemos e podemos indicar é que existem grupos de riscos propensos à síndrome da morte súbita.

 

Principais riscos para a síndrome da morte súbita:

  • A mulher não realizar acompanhamento médico durante a gravidez e não fazer todos os exames de pré-natal.
  • Fumar durante e após a gestação são agravantes para ocorrer casos de SMSL, assim como expor o bebê ao cigarro.
  • Pelúcias, edredons e assessórios no berço não são recomendados para a segurança da criança.
  • Mães menores de 20 anos também foram motivos de estudos para casos de crianças que morreram decorrentes da Síndrome do Mal Súbito de Lactente.
  • Existem maiores riscos quando os bebês dormem na cama com os pais (cama compartilhada) e ou em posição de bruços, que obstrui e dificulta a respiração.

 

Cuidados possíveis de se aplicar:

  • Evitar berços com muitos acessórios. O local deve ter um colchão firme, com lençol apropriado e ajustado ao tamanho e não é necessário travesseiro.
  • O berço deve ser vazado para a circulação do ar e renovação de oxigênio.
  • Evite pelúcias, assessórios, brinquedos, itens com cordões (enforcamento) e muitas cobertas para aquecer a criança, especialmente nos dias mais frios – isso pode provocar superaquecimento, estresse e a SMLS também.
  • Colocar o bebê em posição de supino (barriga para cima) é o mais indicado. Quando existe um quadro de refluxo infantil, é recomendado que os pais recebam orientações do pediatra para adequar o posicionamento da criança.
  • Evitar bebidas alcoólicas, sedativos e drogas durante e após a gestação são fundamentais para garantir uma gestação tranquila e possíveis casos de SMSL.
  • Na dúvida de como agir, sempre converse com o pediatra e nunca opte por conselhos de pessoas leigas. A pediatra é a profissional mais indicada para oferecer segurança no diagnóstico, assim como nos procedimentos que garantam maior segurança para evitar a Síndrome da Morte Súbita em Lactentes (SMSL) e outras causas de morte relacionadas ao sono.

 

Dicas:

 

1)     Local onde a criança dorme:

Evite todo e qualquer assessório dentro do berço, o que inclui os protetores “fofos” que decoram a parte interna e externa. Opte por um colchão firme e com lençóis justos para não enrolar ou soltar quando a criança estiver dormindo. O berço pode ser substituído por um berço portátil ou moisés, seguindo os mesmos padrões do berço quanto a segurança e espaço livre de obstáculos. Também, evitar o uso de carrinhos, cadeirinhas, bebê conforto ou sling para fazer o bebê dormir e ficar neles por muito tempo, especialmente crianças menores de 4 meses de vida, pois podem ficar em má postura, causando asfixia ou sufocamento e consequentemente a SMSL. Quando usado o sling, tome cuidado para não obstruir o nariz e a boca do bebê, do qual a cabeça deve sempre estar livre. O mesmo vale para cobertores, lenços e toucas de proteção no inverno. Recomendamos que a criança durma no quarto com os pais até o primeiro ano de vida, mas não na mesma cama, pois os riscos de sufocamento e aprisionamentos são grandes e podem levar a Síndrome da Morte Súbita do Lactente.

 

2)     Rotina com o pediatra:

A partir do nascimento da criança, entre 7 e até no máximo 10 dias, agende a primeira consulta com o pediatra para avaliação completa do estado de saúde, assim como das condições de saúde do bebê. Mantenha uma rotina saudável e adequada para cada faixa etária da criança, conforme recomendado pelo especialista. Também, certifique-se sobre as vacinas e períodos em que devem ser tomadas para manter a criança sempre protegida de diversas doenças e infecções.

 

3)     Aleitamento Materno ajuda a prevenir a SMSL:

O aleitamento materno é essencial para garantir saúde e qualidade de vida para o bebê e contribui, inclusive, para evitar a SMSL e distúrbios do sono. Quanto maior for o período de amamentação, melhor serão os resultados.

 

4)     Outras recomendações:

- Quando são irmãos gêmeos e ou múltiplos, devem colocá-los em camas separadas. O mesmo vale em creches e berçários – as crianças devem dormir separadas e sempre sob com supervisão.

- A chupeta é indicada na hora do sono, segundo pesquisas, para ajudar a minimizar as chances de Síndrome de Morte Súbita do Lactente (SMSL), mesmo que caia no decorrer da noite, não precisa ser recolocada.

- Nunca use produtos e ou artifícios que se apresentem como protetores de ocorrências da SMSL, assim como usar monitores cardiorrespiratórios para reduzir o risco de morte súbita, pois não existem comprovação de que sejam eficazes para esta finalidade.

- Não viva na neurose, acreditando que a criança pode sofrer da síndrome a qualquer momento. Lembre-se que todas as dicas são importantes e mantenha-se presente nos cuidados e, principalmente, no carinho com o bebê. O toque e a troca de afeto contribuem para melhorar a imunologia da criança e seus anticorpos.

 

Fonte: Dra. Priscila Zanotti Stagliorio

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top