Home / Sempre Paterna / Próstata aumentada traz incômodos, mas tem tratamento

Próstata aumentada traz incômodos, mas tem tratamento

homemmedico

Geralmente acometendo homens acima dos 50 anos, causa da hiperplasia prostática benigna (HPB) pode estar ligada a questões hormonais e genéticas

O assessor de comunicação G.T. vivia muito cansado, mesmo ao despertar. Também pudera: não conseguia dormir ininterruptamente, tendo de acordar várias vezes para urinar. E com isso, durante a madrugada, tinha dificuldades para pegar no sono de novo. Em uma visita ao urologista, reclamou do problema. Por recomendação e a pedido do especialista, submeteu-se a exames e os resultados não deixaram dúvida: o volume de sua próstata estava maior, dificultando a passagem da urina pela uretra. Hoje, com medicamento, fez as pazes com o sono.

A noctúria – quando se tem de acordar diversas vezes para urinar, interferindo na qualidade do sono – é um dos sintomas da hiperplasia prostática benigna (HPB), denominação complicada de um dos problemas mais comuns entre homens. Estudos da Sociedade Brasileira de Urologia mostram que a patologia pode acometer até 80% das pessoas do sexo masculino com 50 anos ou mais (equivalente a 14 milhões de brasileiros).

Segundo Tiago Soares Bissonho, médico urologista do Hapvida Saúde, o aumento benigno da próstata pode estar ligado a questões hormonais e genéticas. “A doença é provocada pela proliferação de células musculares lisas e células glandulares das chamadas regiões periuretral e zona de transição da próstata, que causam o aumento volumétrico do órgão”, esclarece. Considerado por muitos cientistas uma condição natural e inflexível do envelhecimento masculino, a taxa de mortalidade por HPB é baixa e se refere, principalmente, as complicações pela falta de tratamento.

Sintomas – De acordo com o especialista, os sinais da doença são os chamados sintomas do trato urinário inferior, que são divididos em armazenamento da urina, esvaziamento de bexiga e pós-miccionais:

  • Sintomas de armazenamento: urgeincontinência (necessidade de esvaziar a bexiga rapidamente quando sente vontade, não conseguindo chegar ao vaso sanitário a tempo); frequência (mais de oito urinações por dia); urgência (quando a necessidade de urinar é inevitável, mas é possível chegar a tempo no vaso sanitário); incontinência por transbordamento (quando a bexiga fica tão cheia que chega a transbordar, ocorre vazamento de uma pequena quantidade de urina que causa a impressão de incontinência, quando na verdade é retenção urinária); e a já mencionado noctúria.
  • Sintomas de esvaziamento: hesitância (quando o primeiro jato de urina demora a sair); jato fraco (não há força suficiente para o mictar, isto é, urinar); intermitência (o jato de urina não é constante e ocorrem interrupções na micção); jato afilado (redução na capacidade na impulsão da urina) e gotejamento terminal (gotejamento involuntário da urina).
  • Sintomas pós-miccionais (pós-urinar): esvaziamento vesical incompleto (permanência de volume residual de urina anormal na bexiga após urinar) e gotejamento pós-miccional (gotejamento automático depois que o paciente terminou a micção).

 

Diagnose – O diagnóstico da hiperplasia prostática benigna é feito mediante perguntas direcionadas aos sintomas, para que o urologista dimensione a gravidade da doença, além do resultado de exames, como o toque retal (avalia o tamanho e forma da próstata), ultrassom, estudos do fluxo de urina e cistocopia (analisa o interior da bexiga). “Todo o processo possui o objetivo de fornecer uma avaliação completa, que contribui para a escolha do tratamento mais efetivo para cada caso”, ressalta Bissonho.

Tratamento – O tratamento inicial, que na maioria dos casos são eficazes, pode ser realizado com dois tipos de medicação que são utilizados isolados ou combinados, sendo os mais prescritos na prática clínica os alfa-bloqueadores e os inibidores da 5-alfa-redutase. “Recentemente, novos medicamentos foram disponibilizados aos urologistas, os inibidores fosfodiesterase 5 (também usados para o tratamento de disfunção erétil) e agonistas beta 3-adrenérgicos”, explica o médico.

Nos casos em que os medicamentos não apresentam efeito, a alternativa é o procedimento cirúrgico, que são de dois tipos: transuretrais endoscópicos e cirurgia aberta.  “Nas próstatas com peso entre 30g e 75g, os métodos transuretrais (executados através da uretra) são os mais adequados. Já nas próstatas com peso de 80g ou mais, o procedimento torna-se mais difícil de ser realizado e os riscos de complicações aumentam. Neste caso, a cirurgia aberta é a mais indicada”, orienta Bissonho.

As possíveis complicações da HPB não tratada são a retenção urinária aguda, uso de sonda, infecção urinária, cálculos de bexiga, hematúria (sangramento na urina), descompensação vesical (bexiga sem funcionamento, com necessidade de uso de sonda para esvaziá-la), hidronefrose (dilatação dos rins) e insuficiência renal, podendo ser necessária a hemodiálise.

 

Fonte:  Hapvida - Com 3,8 milhões de beneficiários, além de terceira maior operadora do País, o Hapvida hoje se posiciona como a maior do Norte e Nordeste. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente, com mais de 17 mil colaboradores diretos envolvidos na operação de 24 hospitais, 73 clínicas médicas, 18 unidades de prontos atendimentos, 71 unidades de diagnóstico por imagem e 66 postos de coleta laboratorial distribuídos em 11 estados onde a operadora atua com rede própria.

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top