Home / Gravidez / Estudo revela os riscos e benefícios de medicações durante a gravidez

Estudo revela os riscos e benefícios de medicações durante a gravidez

medicamentos-na-gravidez

Um recente editorial liberado pela The New England Journal of Medicine nos faz pensar sobre medicações usadas na gravidez e suas repercussões. Há mais de 50 anos, uma epidemia de graves defeitos congênitos causada pela exposição pré-natal à talidomida abalou a noção predominante de que a placenta serviu como uma barreira contra influências prejudiciais e levou ao reconhecimento de que exposições durante a gravidez podem resultar em danos a um feto em desenvolvimento. Desde aquela época, garantir que uma mulher grávida tenha acesso a tratamentos potencialmente salvadores de vidas enquanto protege seu feto se tornou um ato de equilíbrio delicado, que requer uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios para a mãe e seu feto.

Descobertas recentes de Zash et al. Agora publicado NJM, mais uma vez destacou a necessidade de pesar cuidadosamente os riscos e benefícios no desenvolvimento de recomendações para o tratamento de mulheres grávidas. Em maio deste 2018, a Organização Mundial de Saúde, a Food and Drug Administration (FDA) e outras organizações divulgaram declarações sobre um sinal de segurança que sugeria uma possível ligação entre o uso periconcepcional do medicamento antirretroviral dolutegravir e defeitos do tubo neural. A maioria dos ensaios clínicos de dolutegravir excluiu gestantes, e o tratamento com dolutegravir foi descontinuado em mulheres que engravidaram inadvertidamente durante os ensaios, de modo que havia uma escassez de dados de segurança sobre seu uso durante a gravidez. A análise inicial dos dados de um estudo observacional em Botsuana não revelou nenhum caso de defeitos congênitos graves entre as 280 gestações em mulheres com exposição ao dolutegravir no primeiro trimestre, mas uma análise interina atualizada identificou defeitos do tubo neural em 4 casos (aproximadamente 0,9% gestações) em que houve uso periconcepcional de dolutegravir, em comparação com 0,1% das gestações com o uso de outros medicamentos antirretrovirais.

Embora este sinal justifique uma avaliação mais rápida, é necessário ter cautela antes de serem feitas mudanças de longo prazo nas recomendações, dado o pequeno número e heterogeneidade dos casos de defeitos do tubo neural identificados e as potenciais implicações para o cuidado da idade reprodutiva e gestantes.

Esse exemplo apenas nos mostra que devemos ter cautela em “novidades” terapêuticas dadas em congresso e a sensação de que alguns praticam uma medicina ” de ponta”. Infelizmente, situações em que há informações insuficientes sobre as quais basear as decisões sobre o tratamento de mulheres grávidas são comuns.

A inclusão de mulheres grávidas em ensaios clínicos e o estabelecimento de vigilância pós-comercialização de exposições na gravidez podem expandir a base de evidências para orientar decisões clínicas e de saúde pública mais informadas, não apenas para o dolutegravir, mas para todos os medicamentos. As decisões de tratamento durante a gravidez continuarão a ser um ato de equilíbrio que deve ser informado pelos dados disponíveis e sugestões de especialistas. No entanto, mudar o padrão de exclusão de mulheres grávidas para uma consideração cuidadosa dos benefícios e riscos pode garantir que as mulheres grávidas e seus fetos recebam os cuidados de que necessitam.

 

 

Fonte: Dr. Vamberto Maia Filho    

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top