Home / Família / Diretrizes para “barriga de aluguel” devem ser revisadas no Brasil

Diretrizes para “barriga de aluguel” devem ser revisadas no Brasil

barrigag

Recentemente, denúncias sobre comercialização do “útero de substituição” (quando uma terceira pessoa gera o feto de um casal), popularmente chamado de “barriga de aluguel”, reacenderam a necessidade de rever as diretrizes para essa prática no país. O comércio é ilegal e a prática só é permitida dentro de algumas regras estabelecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

De acordo com resolução do CFM, o desenvolvimento do embrião no útero de terceiros, só poderá ser aprovado com a apresentação de laudo médico emitido por especialista em reprodução. Esse documento deve comprovar que a mulher está impossibilitada de gerar o bebê, por infertilidade ou por inexistência do útero (retirada cirúrgica ou malformação).

 

Para que não haja caráter comercial, a prática do “útero de substituição” só pode ser feita entre parentes de até segundo grau, ou seja, mãe e irmãs. As demais situações estão sujeitas a autorização prévia dos conselhos regionais de medicina de cada estado.

Em São Paulo, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP), através da resolução 232/2011 estabelece normas mais explicativas, como necessidade de um rol de procedimentos, incluindo o consentimento informado de todos os envolvidos, os aspectos do ciclo gravídico-puerperal, os riscos da gravidez, a impossibilidade de interrupção, a garantia do tratamento médico dada pelos pais genéticos, o compromisso de registro, entre outros.

Para a médica especialista em medicina reprodutiva do Grupo Huntington Medicina Reprodutiva, Karla Zacharias, a prática não regulamentada do “útero de substituição” traz graves consequências, principalmente emocionais, aos envolvidos. “Essa é uma opção necessária em muitos casos em que a mulher realmente não consiga realizar, sozinha, o sonho de ser mãe, por isso é preciso que sejam seguidas as normas do CFM”, afirma.

 

Quando ilegal, a situação é ainda mais complicada porque a mãe substituta pode não receber as consultas pré-natais e toda a assistência médica necessária, além do acompanhamento psicológico que é importante para todas as envolvidas.

Fiscalização e bom atendimento às famílias

Alguns países, como os EUA, por exemplo, legalizaram o “útero de substituição”, em um modelo correto de fiscalização, controle e acompanhamento das mães. “Lá, há atenção especial à mulher que gera o embrião. Ela passa por consultas pré-natais, acompanhamento psicológico e ainda conta com a presença de enfermeira. Tudo isso é muito bem organizado e garantido pela lei”, comenta Karla.

 

 

 

Release de:

Raoni Bories

Barcelona Soluções Corporativas

raoni@barcelonasolucoes.com.br

(11) 3034-3639

 

Fonte:

Dra. Karla Zacharias

Grupo Huntington Medicina Reprodutiva

www.huntington.com.br

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top