Home / Sempre Paterna / Crianças hiperativas e férias: como lidar?

Crianças hiperativas e férias: como lidar?

como-lidar-com-crianas-hiperativas-1-tt-width-480-height-300-bgcolor-FFFFFF

Uma preocupação dos pais durante as férias escolares é sobre o entretenimento dos filhos. Durante uma manhã tranquila, é possível levar os pequenos para o parquinho. Mas se estiver chovendo, como distraí-los em casa? Caso ele seja hiperativo, é ainda mais complicado. Mas para auxiliar as famílias com essa tarefa árdua, a psicóloga Lia de Paula Moraes sugere algumas dicas.

 

Ela é autora do livro infantil “João Agitadão” e sabe muito bem os desafios de lidar com essas crianças.  A obra, fruto de sua experiência com pacientes com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, aborda de modo leve e afetuoso as principais características de quem tem TDAH. A inspiração para a obra foi o filho da psicóloga.

 

Lia diz que o segredo é que os pais sejam criativos e tentem envolver os filhos em atividades simples, como, por exemplo, jogos de memória. Ou pode-se usar uma folha de papel grande onde cada participante tenha de desenhar, com uma única cor de lápis, um objeto e animal para, em seguida, falar sobre o que fez. “Isso se torna um passatempo prazeroso para os pais e os filhos”.

 

- Há inúmeras outras coisas, como brincar de adivinho com imitação de animais, teatrinho, professor e aluno, estátua ou ainda fazer colagem com recortes de revistas. Enfim, inventar com coisas simples – ressalta.

 

Lia comenta que, ao usar a imaginação com os hiperativos, até uma toalha pode se transformar num brinquedo. Ela diz que os pais devem brincar com os pequenos e fingir que um pedaço de pano, que pode ser um lençol velho, é um carro capaz de levar as pessoas a um passeio. Pode ainda usar como demarcação na sala ou na área para um lanche no parque. “Ou transformá-lo num tapete voador que levará a um reino encantado”.

 

Para a especialista, o importante é indicar atividades para a criança e da interação surgir a brincadeira. Os pequenos precisam sentir-se envolvidos e sempre falar com eles olho no olho. “Derivado do olho no olho, pode-se fazer concurso de caretas, ou disputar quem ri primeiro perde. Qualquer invenção é bem-vinda”.

 

- Assim o tempo passa, sem gastar muito dinheiro e sem a interferência dos brinquedos e jogos eletrônicos. E a interação e atenção dos pais será um saldo positivo no relacionamento familiar – conclui.

 

Fonte: Joyce Nogueira - Drumond Assessoria de Comunicação

Deixe seu comentário

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

'
Scroll To Top